Paulista/2014 – São Paulo 0×1 Ituano – Análise, Notas, BC/BM…

analise

 

EXPECTATIVA…

Entregar ou não o jogo era questão fora de cogitação. Porque vencer é sempre a meta e qualquer torcedor que se preze espera que seu time vença. A conduta do São Paulo, nesses momentos, é irrepreensível, haja vista a atitude daquele time de 2004, com os dois gols de Grafite contra o Juventus, impedindo o rebaixamento do Corinthians naquele ano. Colocar em xeque a índole do tricolor é leviandade. Ponto.

 

…REALIDADE!

Primeiro Tempo

Com um belíssimo novo uniforme, celebrado pela água benta que caía dos céus e encharcava o Morumbi, o São Paulo queria vencer. Tanto que OSVALDO arrancava pela esquerda como se não houvesse amanhã. LUÍS FABIANO marcava o goleiro do Ituano como se este fosse um atacante e ele próprio, o 9, um zagueiro. Mas o Ituano marcava bem, tinha planos para esta tarde e queria vencer a qualquer custo. Aos 13 minutos, numa falha de posicionamento da zaga tricolor, Esquerdinha entrou livre pelo meio da grande área e fuzilou ROGÉRIO CENI… 0×1 Ituano. O São Paulo queria responder rápido e no minuto seguinte quase empatou, num chute de LUÍS FABIANO que não acertou em cheio na bola, que saiu mascada pela linha de fundo, sem perigo.

A melhor defesa da competição, a do Ituano, parava, com sofrimento, o ataque tricolor. Aos 21, depois de cobrança de escanteio, RODRIGO CAIO desviou de cabeça e tirou tinta do travessão do gol do Ituano. A chuva apertava, caía pesada, com granizo e tudo, e o Ituano não dava espaços ao tricolor, que só ameaçava chutando de longe, como aos 32, quando WELLINGTON chutou com perigo de fora da área e o goleiro Vagner fez a defesa. Com as pedras de gelo caindo do céu, o apitador aos 35 minutos, acertadamente, optou por paralisar a partida, pensando na integridade física dos atletas. Diz-se à boca pequena que Juvenal, de copo na mão, correu para o campo, a fim de amparar o velho Jack, do qual o escriba confessa também ser fã.

Aos 35 minutos o jogo recomeçou. Mas o mundo ainda caía, só que sem as pedras. E a transmissão do PFC é que parecia ter provado do velho Jack, porque caía a todo instante. A drenagem do Morumbi, heroica pelo volume de água que caía, deixava apenas poucos pontos do campo alagados, modos que (como diria Didi Mocó), a bola corria bem. OSVALDO foi pra cima aos 42. Foi tocado dentro da área e caiu. O apitador, depois de muita pressão dos defensores do Ituano (com direito a chilique do zagueiro que cometeu o pênalti), deu amarelo para o sanfoneiro. Dois minutos mais tarde, LUÍS FABIANO também recebeu o seu. O tricolor tinha mais volume de jogo, dominava, mas não conseguia se eficaz. Pudera, porque parar em pé naquelas condições já era proeza, porque ainda chovia demais.

Até que, aos 46 fora decretado o fim de um primeiro tempo de poucas chances e muita chuva.

Segundo Tempo

Sem alterações, o São Paulo voltou para o segundo tempo com outro uniforme, o número 2, tão belo quanto o primeiro. E o Ituano voltou impetuoso: logo aos 2 minutos, Rafael Silva saiu cara-a-cara com ROGÉRIO CENI e chutou rasteiro, obrigando o goleiro tricolor a fazer boa defesa com os pés. E, com a água benta que caía do céu não dava trégua, a drenagem sucumbiu e o gramado mostrava pontos de alagamento, principalmente no meio-campo.

Aos 6, GANSO dominou pelo meio, passou pelo primeiro, pelo segundo e quando ia filar o terceiro, foi parado. Falta. A volume de água que caía do céu era grande, tão grande quanto o que caía dos olhos de Alemão, zagueiro do Ituano. Como chora, como reclama esse jogador… ROGÉRIO CENI foi para a bola e cobrou na barreira. É… GANSO, mesmo prejudicado pela chuva, mostrava como se devia jogar e organizava o meio. Aos 8, OSVALDO recebeu na esquerda e cruzou para LUÍS FABIANO, que quando ia se posicionar para subir e cabecear, foi atingido pelo braço de Anderson Sales e caiu. Pênalti. Que o apitador não deu e a TV sequer comentou. Barbaridade! No lance seguinte, OSVALDO recebeu no meio e mandou um petardo tão forte que até cair, caiu. Vagner se esticou todo e defendeu. O tricolor era melhor em campo, faltava apenas o gol.

Aos 17, GANSO fez bela jogada, se livrou da marcação pelo meio e lançou primorosamente LUÍS FABIANO na direita. Vagner saiu e interceptou. O São Paulo seguia melhor, mas estava difícil de jogar, porque a bola corria onde deveria parar e parava onde deveria correr. Se o futebol, por natureza, é imprevisível em condições normais, naquelas era algo que contrariava todas as leis, até as de Murphy. Aos 24, LUÍS FABIANO passou como quis por Alemão, e tocou para ADEMÍLSON. O pequenino recebeu, fez o giro e bateu forte, fazendo a bola passar raspando o travessão do gol de Vagner. Contudo, o Ituano seguia perigoso e aos 26 Rafael Silva foi lançado, ganhou de EDSON SILVA e, dentro da grande área, pressionado pelo zagueiro tricolor, chutou por cima do gol.

Aos 27, EDSON SILVA saiu para a entrada de LUCAS, o EVANGELISTA. RODRIGO CAIO iria para a zaga e EVANGELISTA ajudaria GANSO na armação. Aos 30, o Ituano desperdiçou nova oportunidade, de novo com Esquerdinha, que próximo a marca do pênalti, fez o giro e finalizou nas mãos de ROGÉRIO CENI. Aos 37, LUÍS RICARDO saiu para a entrada de EWANDRO. E então GANSO exagerou e, num carrinho lateral fez falta, recebeu o segundo amarelo e foi expulso. Cumprirá a suspenso automática e entrará pendurado contra a Penapolense, na partida da oitava de final.

Com um a menos, ficou quase impossível reverter. A dificuldade imposta pelo campo praticamente matava as chances do São Paulo, que não conseguia tocar a bola e tampouco jogar em velocidade com a bola no chão.

Até que, aos 48 minutos o apitador pôs fim ao jogo.

Por: Paulo Martins

 

NOTAS 

ROGÉRIO CENI: Quando exigido, fez sua parte. 6

LUÍS RICARDO: Ainda longe de ser o jogador que foi na Portuguesa. Mas há tempo. Tenhamos paciência. 4

(EWANDRO): A ideia era dar mais movimentação e força ofensiva. Hoje, não foi possível. 4

EDSON SILVA: Sofreu demais com os rápidos homens de frente do Ituano. Partida ruim. 3

(LUCAS EVANGELISTA): Entrou para dar mais criação ao time, mas dadas as condições do campo — em que pese o belo sistema de drenagem do Morumbi  – não pode fazer nada. 4

ANTONIO CARLOS: Não foi muito melhor que seu companheiro de zaga. 4

ALVARO PEREIRA: Raçudo, fez o que podia, mas pareceu sentir o cansaço. Para seu azar, o setor esquerdo, no segundo tempo, foi o mais prejudicado pela chuva. 5

WELLINGTON: Incrível como, depois de 2012, vem numa involução constante. As vezes comete erros primários, tanto de posicionamento quanto de procedimento. Fraco. 3

RODRIGO CAIO: Foi deslocado para o meio e fez um primeiro tempo apenas regular. No segundo, recuado para a zaga, foi melhor. 5

GANSO: Alguns bons passes. Foi muito prejudicado pela chuva, que diminui bastante suas opções de jogo. Saiu expulso, o que pode ter complicado sua situação no decorrer do campeonato. 4

OSVALDO: O melhor do time. As melhores chances do time saíram de seus pés. Sofreu um pênalti não marcado pela arbitragem. 7

LUÍS FABIANO: Lutou bastante. Vontade não lhe faltou. A meu ver, também sofreu um pênalti no segundo tempo. 5

ADEMÍLSON: Não esteve bem. Fez algumas boas partidas no ano passado, mas nesse ano, ainda não se encontrou em campo. Precisa abrir os olhos, porque parece que a paciência de MURICY com ele está no final. 3

MURICY: Considerou as possibilidades, os jogadores que tinham condições físicas razoáveis e mandou o que tinha de melhor para o jogo. Quis ganhar a partida, embora o choro dos adversários eliminados tenha maior destaque na imprensa. 7

Por: Paulo Martins

 

BOLA CHEIA

  • O retorno do bom futebol do OSVALDO;

 

BOLA MURCHA

  • A insistência da imprensa em creditar a desclassificação do Corinthians – incompetente! – à má jornada do São Paulo, inclusive desmerecendo a boa partida do Ituano.

Por: Paulo Martins

Share Button

Preleção Paulista 2014: São Paulo x Ituano

São Paulo x Ituano

Apenas cumprindo tabela, o Tricolor recebe hoje o Ituano no Morumbi em duelo válido pela penúltima rodada do Paulista. O Tricolor vem de 4 vitórias consecutivas e só precisa de um ponto em dois jogos, para não depender dos outros e garantir a liderança do grupo A. Já conhecemos também nosso adversário nas quartas, o Penapolense. O Ituano luta com a travecada pela segunda vaga do grupo B.

Alguns jogadores serão poupados, como Antonio Carlos e Pabón. Edson Silva e Ademilson ou Cañete (ele existe!), respectivamente, serão os substitutos. Luís Fabiano , pendurado, forçará o terceiro cartão amarelo para estar zerado no mata-mata. Não poderemos contar apenas com Souza (lesionado). Falando em volantes, teremos o retorno de Denilson, recuperado de lesão de uma contratura no músculo posterior da coxa esquerda.

Wellington será mantido como 1º volante e Ganso volta ao time titular, já que foi o camisa 10 que deu lugar a Alexandre Pato na vitória do meio de semana. O maior garçom do time ao lado de Alvaro Pereira, Osvaldo segue em alta com Muricy Ramalho.

O clube de Itu faz grande campanha até o momento, dependendo apenas de suas forças para garantir uma vaga para a próxima fase. Mas hoje terão uma pedreira pela frente. O time porém poderia estar com uma gordura, não , fosse o tropeço diante do ameaçado Sorocaba em casa. Se quiser depender apenas de si, terá que quebrar dois tabus: não vence o São Paulo desde 1993 e jamais saiu vitorioso do Morumbi. O destaque do time é a defesa, a melhor do Paulista, com apenas 10 gols sofridos.

O jogo em si não vale nada, mas vale a pena ir ao Morumbi para conferir o lançamento do Manto Sagrado desta temporada. Quanto a ajudar nosso maior rival… com certeza estão nas mãos do Tricolor, já que em uma eventual derrota para o Ituano prejudicaria o Corinthians. Mas sem dúvidas Muricy não deixará e os jogadores não entregarão a partida. São profissionais, e entrarão em campo pra vencer. Isso de “entrega” é coisa de torcedor. Vamos São Paulo, pra cima deles!! #3Cores1SóTorcida

Por: Leandro Teixeira

 

SÃO PAULO X ITUANO

Data/Hora: 16/03/2014, as 16h00

Estádio: Morumbi, São Paulo/SP

Árbitro: Cássio Luiz Zancope

Auxiliares: Leonardo Schiavo Pedalini e Maria Eliza Correia Barbosa

São Paulo: Rogério Ceni, Douglas, Rodrigo Caio, Edson Silva (Antonio Carlos), Alvaro Pereira; Wellington, Maicon e Ganso; Ademilson (Cañete), Luís Fabiano e Osvaldo. Técnico: Muricy Ramalho

 Ituano: Vagner, Dick, Alemão, Anderson Salles e Dener; Josa, Paulinho, Jackson Caucaia e Cristian; Rafael Silva e Esquerdinha. Técnico: Doriva

Transmissão: PFC

Share Button

Pendurado, Luis Fabiano vai forçar terceiro cartão para não repetir 2012

Luis Fabiano

Luis Fabiano é um dos atletas que mais atuou pelo São Paulo em 2014. Disputou 13 das 14 partidas da equipe na temporada. Levando em conta esse aspecto, o jogador teria tudo para ser poupado da partida contra o Ituano, domingo, no Morumbi, pela 14ª rodada da fase de classificação do Campeonato Paulista. Afinal, o time já está classificado. No entanto, o camisa 9 estará em campo e terá uma obrigação: forçar o terceiro cartão amarelo.

O jogador está pendurado e, se for advertido novamente, não enfrentará o Botafogo, em Ribeirão Preto, na última rodada, mas entrará zerado no mata-mata. A estratégia é para evitar que se repita o que ocorreu no estadual de 2012. O artilheiro estava com dois amarelos, levou o terceiro nas quartas de final contra o Bragantino e acabou cumprindo suspensão na semifinal diante do Santos, vencida pelo rival por 3 a 1.

Muricy Ramalho não quer correr o risco de ficar sem o seu principal atacante no momento decisivo, principalmente porque o time está se encorpando, e Luis Fabiano vive boa fase. A cada jogo, o desempenho do Fabuloso encanta o treinador. Não só pelos gols que marca, mas pelo espírito de luta mostrado e por estar muito mais controlado.

Além da missão de forçar a suspensão, Luis Fabiano não quer ser poupado porque iniciou 2014 fominha. Até o fim do ano passado, foram duas cirurgias, várias lesões musculares e a reserva: em má fase, o jogador terminou 2013 no banco. Em 2014, tudo é diferente. O atleta participou de todos os treinos e, ao final de cada partida, não se queixa de dores, o que era rotina nos anos anteriores.

- Estamos em março, e ele participou de todas as atividades. Ele está querendo mais, e isso é importante porque o jogador precisa dessa confiança – afirmou o treinador.

Fonte: globo.com

Share Button

São Paulo FC e Penalty lançam nova camisa

SPFC 1SPFC 1 Costas

SPFC 2SPFC 2 Costas

A Penalty e o São Paulo lançam, neste domingo, na partida contra o Ituano (compre seu ingresso), o novo manto do Tricolor Paulista, que será usado pela equipe na temporada 2014. Os novos uniformes trazem muito mais tecnologia e inovação, sem deixar de lado a história do clube, já que as camisas foram inspiradas em modelos que foram utilizados nas décadas de 70 e 80.

> PRÉ-VENDA DO NOVO MANTO

Construção
-­ Camisa 1: confeccionada com tecido 100% poliéster mais encorpado do que a de 2013, atende as necessidade dos atletas de maneira inovadora, pois sua textura minimiza o contato com a pele – evitando o famoso efeito de “grude” -, tornando o produto mais confortável também para o consumidor. Possui gola careca, abandonando a gola polo que vinha sendo utilizadas nos últimos anos.

‐ Camisa 2: o grande diferencial dessa peça fica por conta do tecido utilizado, que já é confeccionado nas cores do clube, fato que elimina qualquer possibilidade de desbotamento. Além disso, as faixas brancas contam com microfuros que permitem uma melhor ventilação da peça. Com um toque e  modernidade, a  camisa 2 possui gola em formato V.

Distintivo
Todas as peças de jogo passam a contar com o distintivo termofusionado. Essa tecnologia permite utilizar um novo tipo de material, tornando o distintivo mais vivo. Além disso, jogadores e torcedores não terão incômodo algum ao vestir a peça.

Tipologia
Toda a tipologia das aplicações de nomes e números foi alterada para trazer ainda mais modernidade às peças.

PROMOÇÃO DE INGRESSOS

Para conhecer os novos uniformes de perto e apoiar o Tricolor no Morumbi, o são-paulino conta ainda com uma ajudinha extra. Reeditando a bem-sucedida promoção de 2013 – que triplicou a média de público dos jogos do Tricolor no Morumbi e elevou em mais de 67% a renda média das partidas do Brasileirão -, o jogo terá ingressos a preços especiais: Sócios Torcedores pagam R$3 em qualquer arquibancada, e não-sócios pagam R$15. Os demais setores do Morumbi também tiveram os preços reduzidos (setores amarelos e térreos não estarão disponíveis devido à montagem do palco do show do Metallica).

“Nada é mais importante e fundamental para um Clube do que ter seu estádio cheio. Torcedores apoiando e torcendo pelo time. Aumentando sua paixão e consumindo cada vez mais São Paulo”, explica Rui Branquinho, diretor de marketing do São Paulo FC. “Ano passado a presença da torcida foi fundamental e é ótimo saber que podemos voltar a proporcionar essa alegria aos torcedores”, completa.

A venda de ingressos teve início nesta segunda (10), ainda no período exclusivo para Sócios Torcedores. Para os não-sócios, a venda online tem início em 12 de março, e nas bilheterias e pontos de venda a partir do próximo dia 13.

Venha ao Morumbi neste domingo!

Fonte: Site Oficial

Share Button

Como nos velhos tempos

Osvaldo

Maior assistente do time na temporada 2014, ao lado de Alvaro Pereira, com quatro passes certeiros para gols, o atacante Osvaldo retomou a confiança e conseguiu as boas exibições que encantaram a torcida são-paulina durante a conquista da Copa Sul-Americana de 2012.

Nos últimos quatro jogos do Tricolor, o camisa 17 balançou as redes do Osasco Audax (4 x 0) e CSA-AL (1 x 0), além de ter dado assistências diante do Corinthians (3 x 2) e XV de Piracicaba (3 x 1). E de acordo com o jogador, que foi elogiado pelo técnico Muricy Ramalho após a estreia do clube na Copa do Brasil, a sequência de jogos entre os titulares foi fundamental para se firmar novamente.

O jogador disputou as 14 partidas da equipe são-paulina no ano, sendo titular em 11. “A má fase não faz mais parte do Osvaldo. Não adianta jogar um jogo bem e outro mal. Quero manter essa regularidade, porque foi assim que conquistei título aqui e foi convocado para a Seleção Brasileira. Acho importante fazer parte do time, porque deixa o atleta mais confiante”, avaliou.

Recentemente, Osvaldo foi pai do seu primeiro filho, Bernardo, que trouxe motivação extra ao camisa 17. “O nascimento dele me deu uma alegria imensa. Fora de campo as coisas estão dando certo e tenho levado isso para o meu dia a dia no trabalho. Encarei os jogos como verdadeiras decisões, e acredito que este seja o caminho”, completou o jogador, que ganhou elogios do treinador em Alagoas.

“O Osvaldo está muito confiante. Tudo no futebol é confiança. Às vezes, os jogadores deixam chegar ao pior para depois começar tudo de novo. Ele também está feliz na vida pessoal, isso é fundamental. O time todo está feliz”, afirmou Muricy. E a alegria citada pelo técnico também está presente no elenco são-paulino, que agora acumula sete jogos consecutivos de invencibilidade na temporada.

“Essa sequência de bons resultados contagiou o grupo. Estamos satisfeito com as atuações da equipe. O ponto forte da nossa equipe é o ambiente dos jogadores, porque todos estão se dedicando bastante. O elenco está de parabéns e queremos manter isso”, finalizou Osvaldo.

Fonte: Site Oficial

Share Button

Com superávit de R$ 23,5 mi, contas de 2013 do São Paulo são aprovadas

Lucas

As contas do São Paulo em 2013 foram aprovadas pelo Conselho Deliberativo do clube. A reunião foi realizada na noite da última quinta-feira, no salão nobre do Morumbi. No total, 120 conselheiros votaram a favor e apenas um, Milton Neves, se mostrou contrário. O documento apresentado pelo clube do Morumbi mostra que o clube teve um superávit de R$ 23,5 milhões na última temporada.

A evolução foi grande. Em 2012, o lucro do clube foi de apenas R$ 826 mil. Em contato com a reportagem do GloboEsporte.com, o diretor financeiro do clube, Osvaldo Vieira de Abreu, disse que a venda de alguns jogadores, entre eles o atacante Lucas, que foi para o Paris Saint Germain por R$ 115 milhões, e o aumento de receitas do Morumbi, contribuíram para o crescimento do superávit.

- Aproveitamos o valor da venda do Lucas e quitamos alguns empréstimos bancários que tínhamos. Só de juros que deixamos de pagar, o clube economizou R$ 6 milhões – afirmou Vieira.

O conselheiro Milton Neves explicou por que votou contra o balanço apresentado pelo clube.

- Sou contador e economista e pedi alguns documentos para analisar. Tenho esse direito, sou conselheiro. Gostaria de entender algumas decisões tomadas pelo clube, mas não foi me dado esse direito. Falei com o presidente do Conselho Deliberativo e com o presidente do Conselho Fiscal, mas não tive sucesso. Então, votei contra. Não tem problema ser o único voto contra – disse.

Fonte: globo.com

Share Button

Coluna do Paulo Martins: A Estante

pmartins

A coluna de hoje foi escrita na madrugada do sábado do último carnaval. Seria postada na semana passada. É uma homenagem a um São Paulino ilustre. No fim da crônica saberão a quem destina.

A ESTANTE

Naquela nova casa da Avenida Jules Rimet, em São Paulo, pela primeira vez em décadas, haveria um lugar para “trabalhar”. Um escritório. O que, no caso de um escritor, resume-se basicamente a um espaço suficiente para abrigar uma escrivaninha, um sofá ou um par de poltronas confortáveis, algumas luminárias de leitura, máquina de escrever (sim, manter o clima saudosista é veementemente necessário), espaço para as novas traquitanas tecnológicas que permitem que o ofício se materialize, que a “garrafa lançada ao mar” chegue ao seu destino e deixe de ser garrafa.

E, sim: estantes. Muitas delas. Porque um escritor que se preze tem por hábito o cultivo de livros. Sim, cultivo. Gosto de chamar assim. Porque, por mais óbvio que seja, dali brotam ideias e aquele que planta e cultiva, colhe! Por certo, as estantes abarrotadas de livros são fonte de pesquisa, e embora muitos achem que tudo está no Google, não é bem assim. Que bom, não?!

Com o espaço pronto para receber a “tenda do escritor”, José foi até um marceneiro famoso na cidade, de nome Juvenal. José levou fotos, as dimensões da sala, as posições das portas e janelas, enfim, tudo o que poderia causar impacto no projeto. Ainda que tivesse o nome de um carpinteiro famoso, José não possuía intimidade alguma com o assunto.

Depois das formais apresentações, debruçaram sobre aquele que seria o “boneco” do projeto. Conversaram bastante. Falaram sobre materiais, tipos de madeira, acabamentos, dimensões…

A certa altura, Juvenal questionou José:

– “Não sei se tem ciência disso, mas sou marceneiro famoso, tradicional na cidade. Escolho trabalhos que tenho predileção aqui e acolá e os executo com eficácia e galhardia”.

Pausa dramática. O velho marceneiro passou a mão pelos cabelos grisalhos levemente despenteados, estufou o peito e cravou:

– “Mas este é um trabalho que, por ventura, está no meu índex. Vou fazer. E quando falo que vou, vou mesmo”. E soltou uma gargalhada bastante peculiar.

Em seguida, veio o questionamento pelos materiais que seriam usados nas prateleiras. José coçou a cabeça, confuso. Disse que não sabia ao certo e que, por ser desconhecedor deste assunto, achou por bem descrever ao marceneiro o que seria colocado nelas, nas prateleiras.

Então disse que ali iriam ser colocados livros e todo tipo de conteúdo impresso que contam com riqueza de detalhes toda a história de um esporte nestas terras. Obras que relatam alegria e tristeza, riso e choro, cenas de punhos erguidos e de ranger de dentes. Céu e inferno. Um antagonismo ambulante. Disse ao mestre marceneiro que ali haveria de ter espaço para documentos que relatam, em terras tupiniquins e até do estrangeiro, os passos de uma das maiores invenções do homem. E que isso incluía recortes de jornais, livros de brochura quase em processo de decomposição, um acervo histórico único. E, claro,  a cereja do bolo: livros sobre o São Paulo Futebol Clube. Aquilo mexeu com o homem, José pode sentir.

Juvenal, o marceneiro, que ouvia tudo com atenção, espantou-se. Levou um tempo para deglutir tudo. Novas pausas dramáticas e suspiros. O homem suava em bicas. Quando se sentiu seguro para dizer algo, parou antes de começar. Em balões imaginários, era possível ver que pensava num primeiro momento em madeira. Caviúna, cedro rosa, angelim, ipê roxo, pau brasil, mogno… Pensou também em algo mais em conta, como pinus de eucalipto ou de araucária, bastante comum também em instrumentos musicais. Viu que somente a madeira, em si, não seria suficiente. Depois concluiu que o concreto seria mais apropriado, porém não seria mais com ele, mas sim com outro profissional da empresa.

Chamou o Sr. Marcelo, que trouxe consigo um sujeito de nome estranho, que mais parecia peça de arcabouço burocrático. Laudo era o nome dele. Eram realmente bons em empreitas com concreto. Juvenal passou a bola. Eles, Marcelo e Laudo, olharam os pré-requisitos. Se entreolharam e resolveram negar o trabalho.

–“Não é conosco. Creio que pelo tipo de objeto, o concreto, embora seja muito usado hoje em dia, não é o mais apropriado.”

José não entendeu mais nada. Saiu de casa para comprar estantes e acabou arrumando um problema daqueles, que segundo os especialistas consultados, era de difícil solução. “Devia ter ido a uma loja de móveis para escritório, seria mais rápido” , pensou.

Antes que ele pensasse em desistir, os dois disseram que conheciam alguém que iria resolver o problema:

– “Santana, vem cá.”

José continuou não entendendo. Porque disseram que o Sr. Santana também lidava com madeira. Mas depois dos sucessivos pedidos de Juvenal, Marcelo e Laudo, para que se acalmasse e confiasse na empresa, a serenidade atingiu José. Santana era profundo conhecedor do ofício, exímio entalhador. Não era um simples marceneiro. Era um artesão que trabalhava com madeira.

Ele pegou o projeto, o executou e, depois de 7 dias, portentosas, firmes e robustas estantes ocupavam o escritório de José. Depois de apertar o último parafuso na instalação e terminar o trabalho, Santana chamou José para ver o resultado. Espantado e intrigado, José não aguentou e perguntou ao mestre artesão:

– “Não entendo. Juvenal era marceneiro também. Porque recusou o trabalho? Depois, Marcelo e Laudo, empreiteiros, recusaram dizendo que concreto não suportava livros. Aí veio você, outro marceneiro, para construir e fez a obra. Porque os demais recusaram?”.

Sereno, mas em tom irritadiço, o Sr. Santana respondeu: “Porque não são somente livros. São livros sobre futebol. E isso tem peso imensurável, intangível, é algo transcendental, compreende? E que não pode ser suportado apenas por madeira, concreto ou ferro. Precisa de outro elemento, em conjunto.”

– “E qual seria?”, perguntou José, cada vez mais curioso.

– “Fé!”. Respondeu Santana.

Tudo fez sentido. E imediatamente. José sorriu. E ofereceu àquele mestre um cafezinho. Conversaram por mais algum tempo quando Santana se despediu, deixando com José o seu cartão, guardado no bolso do paletó que usava na ocasião.

Dias depois, ao separar a roupa para jogar ao cesto de roupas sujas, ao verificar os bolsos, achou o cartão. E ao olhar, tremeu:

Telê Santana da Silva

Mestre em forja, marcenaria e entalhes

 É… Toda obra escrita tem a estante que merece!

Saudações caro irmão em três cores José Renato, historiador do futebol e profundo pesquisador e conhecedor do esporte. Parabéns pelas conquistas recentes! Você é um orgulho para todos nós e posso dizer que é uma honra dividir o mesmo espaço com você, aqui no BLOG DO SÃO PAULO.

Share Button

Após trocar Ganso por Pato, Muricy assegura que meia é titular

Ganso

Acabou sobrando para Ganso deixar a equipe para a estreia de Alexandre Pato. Contra o CSA, na última quarta-feira, em Maceió, pela primeira fase da Copa do Brasil, o camisa 10 começou no banco e entrou somente no segundo tempo. Mesmo assim, ele continuará com status de titular. Pelo menos é o que afirma o técnico Muricy Ramalho. Apesar da modificação, o comandante garante que Ganso seguirá na equipe.

- O Ganso é o titular, mas não dava para tirar os caras do lado (Osvaldo e Pabón). Se eu tirasse, teríamos problemas. O único lugar que o Pato poderia jogar seria nessa função, na frente da linha de quatro jogadores e se aproximando do Luis Fabiano. E fez isso muito bem – afirmou.

Pato atuou boa parte do jogo quase como um meio-campista responsável por criar jogadas. Em vários momentos, voltou ao campo de defesa para buscar a bola. Em outros, se aproximou e tabelou com Luis Fabiano, organizando boas situações no setor ofensivo.

Muricy contou que a alteração foi bem aceitada pela equipe, principalmente por Ganso. Como estourou o limite de jogos no Paulistão, Pato tem apenas a Copa do Brasil para atuar neste momento. Como venceu apenas por 1 a 0, o São Paulo não eliminou o jogo de volta contra o CSA, que está marcado para 9 de abril, no Morumbi.

- Todo mundo entendeu. Os caras precisam abraçar o companheiro. Não tirei o Ganso porque jogou mal.

O treinador, aliás, até considera a possibilidade de colocá-los juntos no futuro. No entanto, reconhece que precisa de tempo para modificar o esquema tático. Hoje, o 4-2-3-1 vem trazendo bons resultados ao time. São quatro vitórias consecutivas na temporada.

- O Pato é um segundo atacante, não pode jogar enfiado. Isso é bom para jogar com o centroavante. Um dia, todos podem jogar juntos, mas aí teríamos de mudar um pouco o esquema. É coisa de treinamento, mas não temos tempo para isso.

Share Button

Muricy promete seriedade contra Ituano, mas admite poupar titulares

Muricy 400

Muricy Ramalho odeia falar sobre o assunto, mas falou. E, mais uma vez, garantiu que não se importa com a briga do Corinthians para se classificar à segunda fase do Campeonato Paulista. Neste domingo, o São Paulo recebe o Ituano, adversário direto do Timão na disputa por uma vaga no mata-mata. Por conta do desgaste físico, o treinador do Tricolor deve poupar alguns titulares no duelo das 16h, no Morumbi.

- Não tenho nada a ver com o Corinthians. Eu cuido do São Paulo. Vou fazer o que for melhor para o São Paulo. É para o bem do time, não quero saber do outro – afirmou.

O comandante vem mostrando preocupação há algumas semanas com o condicionamento físico do grupo em virtude da sequência de jogos. O elenco será reavaliado até sábado para saber quem corre o risco de sofrer alguma lesão maisgrave. O zagueiro Antônio Carlos, que sentiu câimbras em Maceió, e o atacante Pabón, frequentemente com dores musculares, devem sair.

- No ano passado, escalamos o time cansado contra o Atlético-PR e levamos 3 a 0, em Curitiba. Então, pode ser que eu coloque agora alguns jogadores para descansar – admitiu.

Por outro lado, o centroavante Luis Fabiano tem grandes chances de atuar novamente. O jogador está pendurado com dois cartões amarelos e pretende forçar o terceiro no fim de semana para ficar fora da última rodada. Assim, entraria sem nenhuma advertência nas quartas.

Líder do Grupo A com seis pontos a mais que o Penapolense, o São Paulo precisa de uma vitória para garantir o primeiro lugar. No Grupo B, o Ituano aparece em segundo, com 22 pontos, dois a mais que o Corinthians. Por isso, uma vitória do Tricolor pode ajudar bastante o rival.

- É importante ganharmos para terminarmos em primeiro e ter o direito de decidir em casa - disse Muricy.

Fonte: globo.com

Share Button

Feliz aniversário, Felipe/Toque Feminino: Rapidinhas

felipe

Hoje é aniversário de um grande amigo. Um cara diferenciado, inteligente, bem humorado e que temos muito carinho e consideração.

Se auto denomina DARFE LEITER. Fã do representante-mor do “lado negro da força”? Star Wars? Boiolice?

Não sabemos. Mas o que temos certeza é que ele é realmente um grande amigo e desejamos que seja imensamente feliz hoje e sempre. Que Deus o abençõe infinitamente.

Aproveite seu dia, Felipe DARFE LEITER Leite.

Abraço do amigos do Blog do São Paulo

—————————————————————————————————————–

tf_mel

 

Pato – Gostei muito da sua estreia. O atacante mostrou a vontade que está, com sangue nos olhos, para se dar bem no São Paulo. Acredito que a humilhação que o nosso rival proporcionou ao jogador esteja contribuindo muito para isso. Na coluna do Jorge Nicola desta semana (Diário de S.Paulo), o jornalista publicou uma matéria revelando que Pato comentou com os colegas atuais que era excluído pelo elenco corintiano. Pelo que foi descrito na matéria, era uma situação meio parecida com a de Ricardinho no São Paulo. Seu alto salário incomodou muita gente.

Independente de quanto ganha, todo jogador deve ser cobrado pelo seu desempenho, mas que isso seja feito dentro dos limites do bom senso. No São Paulo ele terá o respaldo e respeito que não teve. Isso ficou comprovado ontem, quando todos os jogadores se esforçaram para que a bola chegasse ao Pato e ele marcasse o seu primeiro gol. Até Luis Fabiano, em uma oportunidade onde estava em posição bem mais favorável, tocou para o colega.

Luis Fabiano – Em uma coluna minha de tempos atrás, eu comentei sobre a má fase de Luis Fabiano e deixe claro, em minha opinião, que faltava empenho. Pois bem, hoje não falta mais. Luis Fabiano voltou a ser Luis Fabiano. Matador e oportunista, o 9 vem se empenhando demais e feito gols belíssimos. Como citei acima, sua atitude também mudou positivamente. Agora ele joga em equipe e não a equipe joga para ele. Não sei se a Copa tem sido o motivador, mas que continue assim.

Eleições – Após a entrevista do Kalil para o Estádio 97 ontem, prevejo muita baixaria pela frente. É bom aproveitarmos esse período de calmaria, porque daqui para frente os noticiários esportivos serão muito nebulosos para o torcedor são-paulino. Os bastidores já estão fervendo. Só vale uma dica ao torcedor, nessa história não existe o bonzinho e o malvado, são todos iguais.

O bê-a-bá do Futebol – No último dia 11, a Folha de S.Paulo lançou um especial muito bacana, chamado “Futebol para Marcianos”, para ensinar todas as regras básicas do futebol. Claro que é voltado ao público leigo, mas é um tipo de material interessante para se guardar e refrescar a memória. Os vídeos serão publicados às terças-feiras. O primeiro deles você pode conferir aqui: http://goo.gl/ikKTz6

Share Button